04/08/2017 - CUIDADOS

Asmáticos precisam de maior atenção no inverno


 

Com a chegada do inverno e o aumento da circulação de vírus e resfriados, pacientes que convivem com a asma podem ser mais afetados. Essa doença respiratória atinge 20 milhões de pessoas no Brasil e tem uma prevalência de 10% de asmáticos na população geral. A asma causa sintomas como falta de ar, tosse, chiado aperto no peito e dificuldade para realizar algumas tarefas simples do dia-a-dia.

"Se um paciente que tem asma fica resfriado, isso pode desencadear sintomas como a falta de ar constante, tosse excessiva e chiado no peito. As crianças ainda precisam de uma maior atenção, pois além de serem mais suscetíveis a se resfriar, convivem com outras crianças ficam mais expostas. No Brasil, aproximadamente 20% das crianças convivem com a asma, que é crônica e não tem cura, mas que com tratamento correto, permite que o paciente leve uma vida sem limitações por causa da doença", afirma o especialista Prof. Dr. Alcindo Cerci Neto do Departamento de Clínica Médica da Universidade Estadual de Londrina.

Quando manifestada em sua forma grave, a asma pode exigir tratamentos adicionais específicos. Pacientes com asma grave sofrem com crises que, em muitas ocasiões, levam a hospitalizações. Crianças e adolescentes com asma grave tem até 13 vezes mais chance de serem hospitalizados, quando comparados aos portadores de asma não grave.

Esses pacientes precisam de cuidado intenso com sua doença e buscar o diagnóstico correto para ter certeza que ela está controlada. Quando a asma não é bem controlada, pacientes geralmente apresentam limitações funcionais, aumento da probabilidade de apresentarem exacerbações, perda de capacidade pulmonar e aumento do risco de morte5,12. São milhares de pessoas de Santa Catarina que podem ter suas vidas afetadas se não estiverem tratadas corretamente e não conseguirem controlar a sua asma.

"Sentir os sintomas típicos da asma mostra que ela não está controlada. Não importa se é inverno ou verão, sentir falta de ar ou dores no peito não pode fazer parte da rotina de uma pessoa que tem a doença. É preciso buscar o melhor tratamento com o médico para que o asmático possa seguir com a sua vida normalmente", reforça o especialista.

 

A asma grave

A asma grave é uma doença crônica causada pela inflamação dos brônquios. Essa inflamação fecha as vias aéreas, prejudicando a respiração5. Falta de ar, tosse, chiado e aperto no peito, despertar noturno e dificuldade para realizar algumas tarefas simples do dia a dia são sintomas de quem tem asma.

No Brasil, aproximadamente 20% das crianças convivem com a asma. A doença não tem cura, mas o tratamento correto permite que o paciente não sinta diferenças em sua rotina8. Os tratamentos atuais podem reduzir o número de exacerbações em 78%, o número de idas à sala de emergência em 88% e as taxas anuais de hospitalizações em 95% em pacientes com asma grave.

A maior parte dos casos de asma está associada a quadros alérgicos10. Para os casos alérgicos graves, existe no Brasil um tratamento que age diretamente no anticorpo responsável pela reação alérgica9. Para facilitar o entendimento sobre o controle da asma, a Global Iniciative for Asthma (GINA) 2017, sugere o preenchimento de um questionário simples e rápido11. Caso haja alguma resposta positiva para alguma das perguntas é preciso procurar um médico, pois há sinais que a asma pode não estar controlada.

 

Fonte: Bonde


Compartilhar:  

COMENTÁRIOS



VEJA TAMBÉM