13/04/2019 - FRAUDES

PC e MP desmantelam quadrilha que 'vendia' vagas em cursos de medicina em Assis e outras cidades

Fonte: Do G1


Foram cumpridos 17 mandados de prisões temporárias. Em abril de 2017 houve denúncia de um eventual esquema de fraude no vestibular para medicina da FEMA, em Assis.

 

 

A Polícia Civil prendeu na manhã desta sexta-feira (12), em Presidente Prudente, quatro pessoas envolvidas num esquema de fraudes em vestibulares para o curso de medicina.

A Operação “Asclépio”, deflagrada nesta sexta, foi conduzida em parceria com o Ministério Público, com objetivo de combater uma organização criminosa que “vendia vagas” em universidades. No total, 17 pessoas foram presas.

Em Presidente Prudente, a polícia não informou, ainda, quais eram os papéis de cada suspeito.

Segundo a Polícia Civil, as investigações começaram após apuração de denúncia de um eventual esquema de fraude no vestibular para medicina da Fundação Educacional do Município de Assis (FEMA), em abril de 2017.

A polícia informou que a direção da unidade descobriu que “terceiras pessoas” haviam se passado por cinco candidatos e feito as provas.

A Vunesp, organizadora do vestibular, ainda de acordo com a Polícia Civil, constatou “inconsistências” nas identificações datiloscópicas, assinaturas nas folhas de respostas e nas imagens captadas dos candidatos aprovados – em comparação com alunos matriculados no curso.

Um inquérito policial foi instaurado para apurar os crimes de organização criminosa, estelionato e falsificação de documento público.

O articulador, do que a polícia está chamando de “engenhoso esquema” de venda de vagas para ingresso em cursos de medicina, “cobrava” entre R$ 80 mil e R$ 120 mil por vaga – negociados de forma parcelada ou até mediante permuta de bens e imóveis.

“Com o avanço das diligências, apurou-se a constituição de sofisticada organização criminosa composta de três grupos, todos interligados: 1) Grupo familiar; 2) Grupo dos captadores e vendedores de vagas; e 3) Grupo de intermediários na Universidade Brasil”, cita a polícia.

Ainda de acordo com autoridades da segurança pública, o 1º grupo, comandando pelo cabeça do esquema, coordenava todas as ações, “se valendo dos trabalhos de vários subordinados (seus familiares)”.

O segundo grupo surgiu da necessidade de se captar “vendedores de vagas”.

A polícia diz que, por conta do alto número de alunos, só os familiares do articulador do esquema não teriam condições de atender toda a “oferta de vagas” em universidades particulares e a procura de interessados.

O terceiro grupo é de pessoas ligadas à Universidade Brasil, que possui faculdade de Medicina em Fernandópolis. A polícia diz que, sem este grupo, não seria possível obter “êxito no engenhoso crime”. Essas pessoas eram consideradas integrantes desta organização criminosa.

A operação contou com a participação de 350 policiais civis, que tiveram apoio de policiais de Minas Gerais e promotores do Estado de São Paulo.

Foram cumpridas 17 prisões temporárias e 55 mandados de busca e apreensão autorizados pela Justiça – 13 em Presidente Prudente.

Em Presidente Prudente foram apreendidos documentos, dinheiro em espécie, cheques, motocicletas e veículos de luxo.

Nem a Polícia Civil nem o Ministério Público informaram, ainda, quantas pessoas poderiam ter sido beneficiadas pelo esquema.

 


Material apreendido pela Polícia Civil em Presidente Prudente - Foto: Stephanie Fonseca/G1
 


Dinheiro apreendido pela Operação Asclépio, que desmantelou quadrilha que “vendia” vagas em cursos de medicina - Foto: Stephanie Fonseca/G1

 


Compartilhar:  


VEJA TAMBÉM


10/12/2019 - Motociclista morre em acidente em rodovia de Palmital


10/12/2019 - Criminosos fazem buraco em banheiro de loja de departamentos e furtam mais de R$ 100 mil, em Tupã


09/12/2019 - Carro invade casa e derruba muro no centro de Tupã


09/12/2019 - Jovem morre e bebê de um ano fica ferida em capotamento na SP-333


07/12/2019 - Acidente com van de Tupã deixa 14 feridos na SP-294


06/12/2019 - Prefeitura de Cândido Mota realiza Concurso Público


05/12/2019 - Polícia Civil de Palmital prende assassino de agente de atletas


05/12/2019 - Operação das polícias Civil e Militar apreende arma de fogo em Assis


04/12/2019 - Coral AMU/Unimed Assis emociona com apresentação no Shopping


03/12/2019 - Quatá define programação de final de ano e shows da virada


02/12/2019 - Homem armado assalta supermercado e ameaça funcionários em Quatá


02/12/2019 - Unimed Assis e cooperativas parceiras participam de programa do Sescoop


30/11/2019 - Polícia fecha barracão usado para fabricação de cosméticos adulterados em Assis


28/11/2019 - Ex-jogadores profissionais se reúnem para evento beneficente neste sábado em Lutécia


28/11/2019 - Colisão frontal entre carro e van mata uma pessoa e interrompe tráfego de veículos em Martinópolis


27/11/2019 - Carteiro fica ferido após ser atingido por árvore em Quatá


27/11/2019 - Estão abertas as inscrições para Festival de Música Sertaneja de Quatá


25/11/2019 - Homem é assassinado próximo à igreja da Vila Prudenciana em Assis


25/11/2019 - Unimed Assis promove palestra de Educação em Saúde


25/11/2019 - Gugu Liberato cursou um ano de odontologia na Unimar na década de 80


23/11/2019 - Dono de bar é baleado por criminoso encapuzado dentro de casa em Marília


22/11/2019 - Motorista perde controle do carro e invade loja de conveniência em Assis; vídeo


21/11/2019 - Vereador de Assis é encontrado caído em praça após sofrer AVC


20/11/2019 - Polícia apreende três caminhões com cigarros contrabandeados em rodovia de Assis e região


19/11/2019 - Homem é preso suspeito de vender cocaína com 'Pó Royal' em Assis


19/11/2019 - Projeto Guri abre temporada de matrículas neste mês de novembro em Quatá


18/11/2019 - Batida entre caminhão e caminhonete mata agente penitenciário em Martinópolis


18/11/2019 - Homem morre e outro fica ferido após queda de torre de energia em Marília


16/11/2019 - Quatá vacina contra o sarampo a partir do dia 18 de novembro


14/11/2019 - Campanha da Unimed arrecada mais de meia tonelada de lacres e reverte em cadeiras de rodas