Coronavírus: Até que ponto as máscaras são eficazes?

As máscaras são mais valiosas nas situações em que são necessárias – como entre cuidadores e profissionais de saúde.


Nos últimos dias, tem havido uma corrida por máscaras cirúrgicas nas farmácias por conta do aumento do número de casos do novo coronavírus confirmados no Brasil. Mas até que ponto elas são eficazes? A recomendação é realmente utilizá-las?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) orienta que o uso de máscaras de proteção é indicado apenas para pessoas que já contraíram o coronavírus (Covid-19) ou com suspeita, como forma de prevenir a transmissão da doença. Portanto, pessoas que não apresentam os sintomas não precisam recorrer a esse recurso, a menos que tenham contato direto com alguém suspeito ou infectado. E se for este o caso, devem usar máscaras e ficar isoladas também, e não ficar circulando pelas ruas usando máscaras. 

Ainda segundo a entidade, embora possam proporcionar a sensação de segurança, as máscaras são mais valiosas nas situações em que são necessárias – como entre cuidadores e profissionais de saúde, que lidam diretamente com o vírus.

Além disso, a eficácia das máscaras depende muito da forma como elas são usadas. Quando chegam a ficar úmidas, por exemplo, já não apresentam mais potencial de barreira.

A higiene correta das mãos frequentemente com água e sabonete ou desinfetante à base de álcool é ainda a forma de prevenção mais eficaz contra o novo coronavírus.

O mais eficaz, além da higiene das mãos, é recomendável não compartilhar objetos pessoais, como talheres, canudos e toalhas, e também evitar tocar nas mucosas de olhos, nariz e boca, já que essas áreas têm contato direto com a corrente sanguínea e são mais sensíveis à presença de agentes de contaminação.

O principal meio de transmissão é entre pessoas. Quando alguém com coronavírus tosse ou espirra, libera gotículas com o vírus. A maioria destas gotas cai sobre superfícies e objetos próximos – como mesas ou telefones. Outras pessoas podem se infectar ao tocar nesses locais contaminados, levando suas mãos aos olhos, nariz e boca.

Sintomas

Os sinais e sintomas incluem tosse, dificuldade para respirar, dor de garganta, acompanhada de febre. É muito semelhante com qualquer outra virose respiratória, como gripe, influenza, resfriado, só que os sintomas tendem a ser mais graves, podendo evoluir para insuficiência respiratória aguda, que é quando o paciente precisa de ajuda de ventilação mecânica.
 

DROGARIAS POUPAQUI


i7 Notícias i7 Notícias