Ventos de até 80 km/h destroem coberturas e destelham dezenas de casas em bairros de Assis



A fúria da natureza deixou prejuízos a muitos assisenses na tarde de ontem, principalmente na região do Jardim Paraná e da Vila Progresso, bairros onde o Corpo de Bombeiros de Assis foi solicitado por moradores que tiveram casas destelhadas com a força dos ventos por volta das 13h30 desta quinta-feira, dia sete. No local foi possível notar que o vento arrancou telhas, caibros, alguns arremessados sobre as casas vizinhas ou no meio da rua. Diversas antenas de TV ficaram entortadas, mas o principal prejuízo para as famílias será com a recolocação das coberturas das casas. A fúria da natureza deixou prejuízos a muitos assisenses na tarde de ontem, principalmente na região do Jardim Paraná e da Vila Progresso, bairros onde o Corpo de Bombeiros de Assis foi solicitado por moradores que tiveram casas destelhadas com a força dos ventos por volta das 13h30 desta quinta-feira, dia sete. No local foi possível notar que o vento arrancou telhas, caibros, alguns arremessados sobre as casas vizinhas ou no meio da rua. Diversas antenas de TV ficaram entortadas, mas o principal prejuízo para as famílias será com a recolocação das coberturas das casas.

Em uma delas, na Rua Santa Mariana, nº 819, esquina com a Rua Paranagi, que fica no limite com a área rural e o entroncamento das rodovias Raposo Tavares e Miguel Jubran, residem sete pessoas, sendo três adultos e quatro crianças. Quatro cômodos - duas salas e dois quartos - foram destelhados.

Apesar dos estragos materiais, ninguém se feriu. "Do jeito que veio o vento, amassou até o portão de ferro. Foi muito rápido. Só deu tempo de se esconder debaixo do beliche. As telhas de Eternit e até algumas madeiras voaram e nem sei onde foram parar", descreveu a moradora Ednéia Franco de Oliveira.

Ela lamenta o estrago e pede por auxílio. "Faz pouco tempo que cobri esses cômodos e acabei de pagar o parcelamento dos materiais de construção. Agora não vou ter condições de comprar e preciso principalmente de caibros. Os parentes fazem o serviço", disse. Os móveis e mantimentos foram amontoados em outras partes cobertas da casa.

O marido de Ednéia saiu do trabalho às pressas para fazer uma cobertura provisória, com encerado. Além do atendimento dos bombeiros, a família contava com a solidariedade dos vizinhos.

FLORATA GELATERIA


i7 Notícias i7 Notícias