Marília Mendonça cantou sofrência empoderada

As letras empoderadas e de sofrência marcaram a carreira da cantora. Ela deixa um filho que completa dois anos em dezembro

Publicidade - OTZAds


As letras empoderadas e de sofrência marcaram a carreira da cantora

Marília Mendonça virou ícone do “feminejo” em 2016, com hits como “Infiel”e “Eu sei de cor”. Antes, ela já era compositora de sucessos do sertanejo.

A chegada da cantora ao mercado aconteceu no mesmo momento de outras duplas, como Maiara e Maraisa e Simone e Simaria.

As letras empoderadas e de sofrência marcaram a carreira da cantora que morreu nesta sexta (5), em um acidente aéreo em Minas Gerais. Ela deixa um filho que completa dois anos em dezembro.

O último álbum que a cantora lançou foi no projeto "Patroas", em parceria com a dupla Maiara e Maraisa. O trio comemorava a indicação ao Grammy Latino.

Marília Dias Mendonça nasceu em Cristianópolis (GO) em 22 de julho de 1995. O primeiro EP, que leva seu nome, foi lançado em 2014, e já tinha músicas como "Alô Porteiro" e "Sentimento Louco".

Foi com o álbum "Agora é que são elas", um EP acústico de 2016, que a cantora conseguiu projeção nacional.

"Infiel", "Folgado", "Saudade do Meu Ex" e "Eu sei de Cor" estão entre as quatro faixas e todas estouraram na época.

No ano seguinte, Marília lançou o DVD ao vivo gravado em Manaus, com outros sucessos como "Amante não tem lar", "Eu Sei de Cor" e "De Quem é a Culpa".

No projeto "Todos os Cantos", a cantora excursionou pelo Brasil e gravou uma música em cada capital. Ela aparecia de surpresa na cidade e fazia apresentações de graça em praças públicas.

Desse álbum saíram sucessos como: "Todo Mundo vai Sofrer", "Apaixonadinha", "Supera" e "Graveto".

Nos últimos anos, ela estava tocando o projeto "Patroas", com a dupla Maiara e Maraisa. Elas lançaram um álbum homônimo em 2020 e o "Patroas 35%", em setembro deste ano. A turnê foi anunciada em outubro e já tinha ingressos à venda.

A aeronave em que Marília Mendonça estava era um bimotor Beech Aircraft, da PEC Táxi Aéreo, de Goiás, prefixo PT-ONJ, com capacidade para seis passageiros. Segundo a Anac, o avião está em situação regular e tem autorização para fazer táxi aéreo.

Antes de embarcar fez um vídeo em que aparecia entrando no avião e publicou no Twitter.

A Polícia Civil de Minas Gerais também confirmou a morte da cantora Marília Mendonça em uma nota: "Assim que acionada, a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) deslocou equipes da perícia criminal, de investigadores e delegados ao local dos fatos, onde realizam os primeiros levantamentos. A PCMG identificou cinco corpos no avião, sendo três óbitos incluindo o da cantora. Um dos corpos já está sendo encaminhado para Caratinga, onde legista e auxiliar de necropsia aguardam para realização de exames. Os trabalhos de polícia judiciária estão em andamento e a medida que avançarem repassaremos mais informações."

 


Marília Mendonça deixa um filho que completa dois anos em dezembro

i7 Notícias i7 Notícias