Novembro Azul: cães e gatos também podem apresentar câncer de próstata 

Saiba como prevenir e tratar a doença em cães e gatos com a médica veterinária de Paraguaçu, Géssica Rodrigues Torres



Saiba como prevenir e tratar a doença em cães e gatos com a médica veterinária de Paraguaçu, Géssica Rodrigues Torres

Você sabia que cães e gatos também podem apresentar câncer de próstata? Pode parecer estranho, mas cães e gatos também podem ser acometidos por uma doença, infelizmente muito comum entre os homens:  o câncer de próstata. 

O câncer de próstata, ou hiperplasia prostática, em cães e gatos não é frequente, porém também pode, sim, atingir os animais de estimação. A doença se desenvolve por causas hormonais e um desequilíbrio na produção de testosterona do animal macho,  causando a multiplicação anormal e desordenada de células na região e estimulando o aumento do tamanho da próstata. Causando, além disso, outros males para a saúde do animal.

Segundo o Conselho Federal de Medicina Veterinária, o câncer de próstata atinge, com mais frequência, cachorros e é mais comum em animais entre seis e sete anos de idade. Ainda de acordo com os dados da entidade, ele acomete aproximadamente 4% dos cães com mais de sete anos e, se o pet não for castrado, esse número salta para 80%. Apesar disso, gatos também podem ser vítimas da doença que pode ser diagnosticada precocemente. 

A médica veterinária de Paraguaçu Paulista, Géssica Rodrigues Torres, esclarece que o câncer é uma doença que vem se mostrando cada vez mais comum entre os caninos e felinos. 

“Assim como em nós humanos, o câncer de próstata é um dos mais prejudiciais. O mesmo ocorre quando acontece a multiplicação anormal das células da próstata, onde observa-se um inchaço da glândula.  Infelizmente, é um tumor que causa muita metástase e não tem cura, e muitas vezes o dono do pet só consegue perceber o incomodo do animal quando o câncer já está bem avançado”, alerta a médica veterinária.

Géssica orienta que o dono do pet pode observar alguns sinais clínicos como dificuldade em urinar, gotejamento de sangue pelo pênis, urina com sangue, dificuldade de defecar, fezes mais finas que o normal e espasmos musculares ao tentar urinar. “Em caso de diagnóstico precoce, pode-se obter um sucesso terapêutico, fazendo com que o animalzinho possa ter uma boa qualidade de vida por um tempo maior”, salienta.

Ao se perceber estes sinais, o médico veterinário vai fazer o exame de toque no animal, por meio do qual já vai perceber o inchaço da glândula e, para confirmar o diagnóstico pode solicitar diversos exames, como radiografia, ultrassonografia, hemograma e exames de urina.

“Felizmente, a prevenção existe, e se dá por uma simples castração precoce. Estudos mostram que cães e gatos castrados dificilmente desenvolvem a doença, e essa pequena porcentagem que acaba desenvolvendo a doença mesmo já castrado, seria por algum fator genético” relata a médica veterinária.

Portanto, castração no caso dos pets, e assim como em todas as doenças, o diagnóstico precoce aumenta as chances de cura da doença, por isso, o acompanhamento médico do seu pet é fundamental, com o médico veterinário que é o melhor aliado do seu animalzinho.

Atendimento

A Clínica Veterinária Pet Live, da médica Géssica Rodrigues Torres, fica à Rua Vereador João Karan Sfair, 294, Jardim Paulista. O telefone de contato da médica veterinária Géssiva é o (18) 9 9659-8458.


i7 Notícias i7 Notícias