Decretada prisão preventiva de donos de cerealista de Maracaí

A cerealista teria dado prejuízo a 17 vítimas apenas no município de Maracaí, havendo investigações também em Paraguaçu Paulista e Assis

Publicidade - OTZAds


A cerealista teria dado prejuízo a 17 vítimas apenas no município de Maracaí, havendo investigações também em Paraguaçu Paulista e Assis

Em maio de 2020 foi amplamente noticiado que diversos agricultores da cidade de Maracaí e região sofreram prejuízo milionário com a quebra da empresa BM Comercial Agropecuária Ltda., a qual, apropriando-se indevidamente dos grãos armazenados em seus silos, os vendeu e não pagou os legítimos proprietários.  

Após oitiva das vítimas, a Polícia Civil de Maracaí instaurou inquérito policial para apurar a prática do crime de apropriação indébita, sendo que as investigações foram concluídas em setembro deste ano com o pedido de prisão dos sócios da cerealista.  

Apurou-se no inquérito que o prejuízo é de aproximadamente R$ 2 milhões, sendo que 17 vítimas foram identificadas apenas no município de Maracaí, havendo investigações também em Paraguaçu Paulista e Assis.  

O Poder Judiciário de Maracaí acatou a representação da Autoridade Policial e decretou a prisão preventiva dos sócios, que após os fatos evadiram-se da cidade e ainda não foram localizados.


i7 Notícias i7 Notícias