Idoso que estava preso por violência contra mulher comete suicídio na cela da CPJ

O homem havia sido preso após denúncia de agressão feita pela esposa de 65 anos, que afirmou que tinha sido esmurrada pelo companheiro

Publicidade - OTZAds


O homem havia sido preso após denúncia de agressão feita pela esposa de 65 anos, que afirmou que tinha sido esmurrada pelo companheiro

Um homem de 66 anos que estava sozinho em cela da Central de Polícia Judiciária, destinada ao trânsito de presos que aguardam audiência de custódia, cometeu suicídio na noite de segunda (7), de acordo com informação da Polícia Civil de Marília.

O homem havia sido preso após denúncia de agressão feita pela esposa de 65 anos, que afirmou que tinha sido esmurrada pelo companheiro no tórax e que ele a tinha ameaçado de morte, com emprego de arma de fogo.

A Polícia Militar foi acionada e compareceu em uma residência de Marília, após denúncia de desentendimento entre um casal. 

A vítima contou ainda que o marido guardava um revólver na residência e autorizou a entrada da equipe. Em busca na residência, os policiais não encontraram nenhuma arma de fogo.

Foram localizadas apenas munições de vários calibres. Questionado, acusado negou qualquer um dos crimes.

O homem foi conduzido até a CPJ, onde foi autuado em flagrante pelos crimes de ameaça, violência doméstica e posse irregular das munições, já que não possuía autorização legal para mantê-las em casa.

“Colocado, sozinho, em cela destinada ao trânsito de presos aguardando audiência de custódia, por volta de 23h30, tragicamente cometeu suicídio. O corpo foi encontrado por volta de 00h10”, diz trecho de nota enviada pela Polícia Civil.

Segundo a polícia, o local foi devidamente periciado e foram colhidas imagens do circuito interno de segurança do Plantão Policial.

“Como regra, a morte será apurada em inquérito policial que tramitará pela Corregedoria da Polícia Civil de São Paulo. Esclareça-se que a Delegacia de Polícia do Plantão Policial conta com oito celas de contenção destinadas às pessoas presas, apenas enquanto aguardam pela realização de audiência de custódia”, finaliza nota.


i7 Notícias i7 Notícias