Idoso perde cerca de R$ 20 mil após cair no golpe do bilhete premiado

Um idoso de 69 anos perdeu R$ 20 mil depois de cair no golpe bilhete premiado nesta segunda-feira (4), em Marília.


Um idoso de 69 anos perdeu R$ 20 mil depois de cair no golpe bilhete premiado nesta segunda-feira (4), no centro de Marília.

O golpe acontece quando uma vítima é abordada em via pública e o estelionatário se passa por uma pessoa humilde que tem um bilhete premiado em mãos.

A vítima relatou que, por volta das 15h30, caminhava pela rua Paraná quando foi abordada por um homem que aparentava ser “caipira” devido ao sotaque. O acusado, segundo o idoso, era branco, aparentava ter 25 anos, era magro e vestia calça e camisa branca.

O estelionatário teria pedido informação a respeito de um brechó e segurava um jogo de loteria. Enquanto conversavam, conforme a vítima, uma mulher se aproximou. Ela era parda, aparentava ter 30 anos, tinha cabelos escuros e curtos e vestia calça e blusa escura.

O suposto caipira também pediu para ela a informação sobre o brechó e disse que estava com um bilhete de loteria e não entendia sobre o jogo. O dono do brechó supostamente teria entregado o jogo por engano.

A mulher pegou o bilhete e ligou para um número que seria da Caixa Econômica Federal. A autora deixou o celular no viva-voz e o idoso disse que ouviu quando o suposto funcionário do banco informou os números do sorteio, que eram iguais aos que constavam no bilhete.

O homem – que seria o premiado – teria dito então que era testemunha de Jeová e, por isso, não queria receber prêmio algum. Logo em seguida, o “caipira” disse que gostaria de receber R$ 140 mil da vítima e da mulher para abrir mão do prêmio.

A mulher teria dito que ia transferir R$ 80 mil para o homem e mostrou para o idoso a transação no celular.

Depois disso, a mulher disse para a vítima transferir R$ 20 mil para o dono do bilhete. Ela levou o idoso de carro até uma agência bancária na avenida Sampaio Vidal.

No veículo, outra pessoa começou a falar com a mulher no viva-voz do telefone, como se fosse um funcionário da Caixa. O suposto atendente disse que ia redigir contrato para a vítima assinar, com o intuito de receber o prêmio no valor de R$ 2,2 milhões.

O idoso entrou sozinho no banco e fez a transferência bancária de R$ 20 mil. Logo depois, a vítima mostrou o comprovante para o dono do bilhete e foi deixada pela mulher perto do camelódromo.

A acusada chegou a falar para o idoso que iria retornar no dia seguinte, às 11h, em frente à Caixa, para finalização dos trâmites. O caso foi registrado como estelionato e é investigado.



i7 Notícias
-->