Reajuste anual de medicamentos: o que você precisa saber

Teto de 4,5% estabelece o limite para aumentos em 2024


A Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), em anúncio recente do Ministério da Saúde, definiu o teto de reajuste para medicamentos em 2024 como 4,5%. Este índice, o menor desde 2020, representa um limite máximo para o aumento dos preços, não um reajuste automático nos valores dos produtos.

Entendendo o reajuste

A partir de 1º de abril, as farmácias e drogarias poderão ajustar os preços dos medicamentos, mas com uma ressalva importante: o aumento não deve ultrapassar o percentual de 4,5% estabelecido pela CMED. Este índice é calculado com base em diversos fatores, como: a inflação dos últimos 12 meses medida pelo IPCA, a produtividade das indústrias farmacêuticas, além de custos adicionais não capturados pela inflação, como câmbio e tarifas de energia.

Por que o reajuste não é automático?

A CMED esclarece que o teto para o reajuste não implica automaticamente em um aumento nos preços ao consumidor. O percentual estabelecido serve como um limite para proteger os consumidores contra aumentos abusivos, permitindo, ao mesmo tempo, que o mercado farmacêutico ajuste seus preços dentro de um parâmetro controlado.


Reajuste de medicamentos não ultrapassará 4,5% em 2024. Um alívio para o bolso dos consumidores.

A importância da pesquisa de preços

Diante da variação permitida, os consumidores são encorajados a pesquisar e comparar preços antes de realizar suas compras. Embora o reajuste possa ser aplicado, ele não é uniforme, e as oscilações de preços podem variar de um estabelecimento para outro dentro do limite de 4,5%.

A política de regulação de preços no Brasil

O Brasil adota uma política de regulação de preços de medicamentos que prioriza a proteção ao cidadão, estabelecendo tetos para os aumentos. Carlos Gadelha, secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Complexo da Saúde do Ministério da Saúde, reforça que a medida visa evitar aumentos abusivos e garantir o acesso da população aos medicamentos.


Pesquisa do consumidor antes de comprar: variações de preços nos medicamentos podem ocorrer e valores precisam estar dentro do teto de 4,5% conforme estabelecido.

O papel da CMED

A CMED, órgão interministerial, desempenha um papel crucial na regulação do mercado de medicamentos no Brasil. Com representantes de diversos ministérios e o suporte técnico da Anvisa, a câmara monitora os preços, estimula a concorrência e assegura a aplicação das regras estabelecidas para proteger tanto os consumidores quanto garantir a sustentabilidade do setor farmacêutico.

O reajuste anual de medicamentos é uma prática regulada e controlada que visa equilibrar a necessidade de ajustes de preços pela indústria com a proteção ao consumidor. A conscientização sobre o teto de reajuste e a importância da pesquisa de preços podem ajudar os consumidores a fazer escolhas informadas, garantindo o acesso a medicamentos a preços justos.



i7 Notícias
-->