Ver televisão por muitas horas pode aumentar o risco de demência em idosos

Os cientistas também observaram que o estímulo decorrente do uso do computador ou da leitura de um livro pode inativar as respostas negativas deste comportamento.


Pesquisadores da universidade do Sul da Califórnia (USC) e da Universidade do Arizona descobriram que quem assiste à televisão em excesso tem um risco aumentado em 20% de desenvolver demência.

Utilizando o UK Biobank, banco de dados que reúne informações biomédicas de meio milhão de adultos no Reino Unido, o estudo contou com cerca de 146 mil participantes. Todos tinham mais de 60 anos e praticavam hábitos diferentes. Dessa forma, o tempo que em frente à TV e ao computador variava de acordo com o estilo de vida e o cotidiano de cada um. Durante 12 anos, as pessoas que integravam a pesquisa foram analisadas.

Ver TV pode levar à demência?

Partindo do fato de que no início ninguém sofria da doença, o objetivo era compreender a ligação entre o sedentarismo e o declínio cognitivo. Embora normalmente a probabilidade de adquirir demência aumente por si só entre idosos, os resultados indicaram que ver TV por longos períodos amplia o risco ainda mais.

Os dados obtidos mostraram que aproximadamente 3.500 dos participantes que desenvolveram demência relataram assistir à televisão por mais de três horas diárias. Assim, a conclusão foi de que, para cada hora de televisão assistida, a chance de desenvolverem a doença se elevou em 24%. Contudo, não foi observado o mesmo efeito em quem usa o computador. Para cada hora passada em frente ao dispositivo, houve uma redução de 25% associada.

Publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences, o estudo aponta revele que ficar sentado por um longo tempo está relacionado a uma redução do fluxo sanguíneo no cérebro. Mas os cientistas também observaram que o estímulo decorrente do uso do computador ou da leitura de um livro pode inativar as respostas negativas deste comportamento. Por fim, o trabalho apontou que a atividade escolhida influencia mais na deterioração cerebral que o período que se passa sentado.
 

ETEC


i7 Notícias i7 Notícias